Blogger
Twitter
Facebook
mariolago100@globo.com
Home >> Poemas e poesias >> Tudo como antigamente
Tudo como antigamente


Por Fernanda Montenegro


Somei noite mais noite olhando a lua
Decorei cada estrela que brilhava
Morri mais de uma vez em cada rua
E sempre a cada vez, ressuscitava
Pobre do tempo que não me alcançava
Nunca se alcança aquilo que flutua
Cama após cama a carne se gastava
E a alma devassa andava seminua
Fui Deus e rei poeta e vagabundo
Vivi mais de mil vidas por segundo
Ultrapassando sempre o mais em frente
Hoje deixo que o tempo me ultrapasse
Morri de vez mas se ressuscitasse
Faria tudo como antigamente
Apoio
Patrocínio






design: ANDRE BELLO    |    desenvolvimento: ESTETIC RUBBER